Office 365 dispõe recursos de Business Intelligence como serviço

business-intelligenceDurante a Worldwide Partner Conference (Conferência Mundial de Parceiros, ou WPC) que ocorreu em Houston, Estados Unidos, a Microsoft apresentou o Power BI for Office 365 que é um conjunto de ferramentas de Business Intelligence (BI). Segundo Eron Kelley, gerente geral de marketing de produto da Microsoft SQL Server, o serviço oferece aos usuários o chamado “BI Self-service”, ou “a capacidade de que o usuário mais próximo do problema de negócios unifique dados e informação”.

A versão Office 365 já dispõe alguns recursos de BI, e no caso do Office 365 ProPlus oferece recursos Power View e Power Pivot através de versões online do Excel. O usuário terá acesso, através de uma página inicial fornecida pelo SharePoint, um catálogo de fonte de dados com um conjunto de ferramentas de análise, tendo o Excel como ponto de partida. O usuário poderá acessar a uma ou mais fontes de dados em uma planilha online do Excel e analisá-las através das novas ferramentas.

Ferramentas como Power Query (antiga Data Explorer) e Power Map, permitem puxar dados externos para uma planilha do Excel, a partir de um feed do Twitter (segmentando em colunas o nome dos usuários, texto das mensagens, data de publicação e localização) ou dados fornecidos pelo Bing Maps (por exemplo, quantas mensagens do Twitter se originaram em cada cidade em um país) respectivamente.

Estão nos planos da Microsoft o lançamento de um app móvel do Power BI para equipamentos com Sistema Operacional Microsoft Windows 8 e Apple iOS. Além disso, os relatórios publicados através do Power View poderão ser exportados no formato HTML5 como também utilizar o padrão adotado que é o Silverlight.

Kelly completa que o Power BI também incluirá um novo mecanismo de busca em linguagem natural, “torna as coisas mais fáceis para o usuário comum que não sabe como estruturar corretamente uma busca em SQL”, citando como exemplo de um usuário que poderá digitar algo como “Quanta renda o produto X gerou no ano passado” em um campo de buscas e o Power BI retornará um gráfico, baseado em dados existentes, mostrando a renda ao longo dos últimos anos.

Ainda não foi divulgada uma data definida de quando o serviço estará disponível e nem o preço, sabe-se apenas que será cobrado mensalmente por usuário.

A computação em nuvem que mais se adequa à sua empresa

nuvem-ideal

A computação em nuvem (cloud computing) tem sido vantajosa no que diz respeito à automação, escalabilidade e economia, mas é preciso conhecer os 3 modelos existentes e avaliar qual é a mais adequada para sua empresa, que são: pública, privada e híbrida.

Nuvem Pública: Para empresas com cargas de trabalho simples, processamentos de dados através de sistemas tradicionais e rotinas com operações repetitivas, o ideal é terceirizar o serviço e assim utilizar a computação em nuvem definida como pública.

Nuvem Privada: No caso de empresas que executam aplicações com armazenamento de dados sensíveis e trabalham com padrões de qualidade em governança corporativa, devem optar no uso da computação em nuvem na modalidade privada.

Híbrida: Para não perder investimentos em aquisições de hardwares, softwares e infraestrutura, a fim de se beneficiar do modelo de computação em nuvem pública com a privacidade e segurança de uma nuvem privada, a empresa tem a opção de utilizar a computação em nuvem chamada de híbrida, que também faz com processe seus aplicativos personalizados no data center e possa alavancar uma série de software-as-a-service (software como um serviço – SaaS) na nuvem pública.

Deve-se analisar alguns pontos antes de escolher a computação em nuvem da empresa: o que fazer no caso de alguma falha da nuvem? Como a sua empresa lida com dados vazados? Possui serviços e aplicações bem definidos? Qual a frequência na interrupção de dados? Além de conhecer qual é a garantia da portabilidade das aplicações e dados, bem como alinhar a TI com o plano de negócios da empresa.

No caso da nuvem híbrida, é importante que tanto a pública quanto a privada, que farão parte deste ambiente, estejam sincronizadas, ou seja, permita que as aplicações estejam sincronizadas sem que haja necessidade de reescrever códigos, converter banco de dados e permitir manter inalterada as características dos sistemas de informações do usuário.

E em conclusão, na hora de escolher uma computação em nuvem, veja se você não está contratando-a com tecnologia proprietária, aquelas que são geradas com um chamado lock-in do fornecedor, assim, é importante que esteja garantido contratualmente na possibilidade de poder migrar para outro provedor no momento que sua empresa decidir sem contratempos.

 

O que fazer com equipamentos antigos de informática?

reciclagem-de-eletronicosO crescimento da Infraestrutura de Tecnologia é algo que está acontecendo de uma forma quase que desenfreada. Muitas vezes, em questão de meses, aquele seu computador de última geração se torna obsoleto e mesmo que você queira aproveitar mais um tempinho de seu aparelho, em alguns anos ele já estará realmente ultrapassado e incompatível com muitas ferramentas essenciais.

A solução é comprar um aparelho novo e mais moderno. Mas o que fazer com seu aparelho antigo? Todo ano, cerca de 20 a 50 milhões de toneladas de lixo eletrônico são produzidos em todo mundo, segundo o Greenpeace, muitas vezes eles ficam esquecidos em aterros sanitários apodrecendo e poluindo, já que muitos aparelhos possuem em suas composições substâncias prejudiciais a saúde do planeta.

Para diminuir esse problema, muitas pessoas têm criado projetos de reciclagem eletrônica. Sim, reciclar está muito além do papel, plástico, metal e vidro, a reciclagem de lixo eletrônico é muito abrangente e além de ajudar nas questões de meio ambiente, pode ajudar nas questões sociais, por exemplo, muitas das peças jogadas fora ainda funcionam e com elas podem ser montados computadores inteiros que podem ser doados a pessoas que não tem condições de comprar o seu próprio ou para ONGs, gerando o acesso à tecnologia a muito mais pessoas.

Já as peças que não funcionam podem ser aproveitadas das mais variadas formas como: brinquedos, enfeites, artesanato ou novas peças, basta usar a criatividade.

Existem muitos projetos espalhados pelo Brasil que cuidam dessa questão, é possível encontrar um bem próximo de você para o momento de descartar aquele aparelho que te acompanhou em tantos momentos, assim você poderá dar um “fim” digno a ele. Portanto a reciclagem de eletrônicos é mais uma maneira de cuidar do nosso planeta de forma criativa e inovadora.

Microsoft Office Mobile disponível para iPhone no Brasil

office-mobilePara quem já é assinante do Office 365 Home Premium e do Office 365 ProPlus, a Microsoft Brasil acabou de disponibilizar o app denominado Office Mobile para iPhone na Apple Store Brasil sem custos.

Através deste app, é possível visualizar conteúdos com nitidez no Word, Excel, PowerPoint, dentre outros do pacote Office, além de permitir a edição dos conteúdos mantendo a formatação original, ou seja, o documento estará com o mesmo visual e formatação no momento em que for acessado no PC ou MAC novamente.

Ao lançar o Office 365, a Microsoft se comprometeu em entregar atualizações regulares para os assinantes o que já foi feito com chamadas do Skype e recursos do OneNote.

O Office Mobile foi criado para acessar e gravar conteúdos no SkyDrive ou SkyDrivePro, mantendo o mesmo conteúdo visto no computador disponível no telefone de forma simplificada, podendo assim fazer edições rápidas e compartilhamentos, revisar e adicionar comentários e trabalhar com anexos enviados através de e-mail.

Se houver interesse em testar o app no iPhone, é necessário assinar uma versão de avaliação em http://www.office.com/ e para os usuários de dispositivos com Windows Phone, o Office Mobile já vem instalado no aparelho.

Maiores informações sobre planos e assinaturas do Office Mobile estão disponíveis no site da www.microsoft.com.br.

Norton Mobile Security identifica Apps que incomodam

norton-mobile-securityA nova versão do Norton Mobile Security (3.4 para o iOS e 3.5 para o Android), além de procurar por malware e impedir a invasão de privacidade, agora é capaz de identificar apps que incomodam o usuário com propagandas excessivas, bem como os que capturam o número do telefone para enviar para terceiros podendo acessar contatos e imagens de forma inadequada. O banco de dados do Norton já está com mais de quatro milhões de apps Android analisados.

Segundo Con Mallon, executivo da Symantec, “se um usuário do Norton baixar um app analisado, o banco de dados irá retornar informações com as possíveis ameaças à segurança e a privacidade, mesmo que o app não seja um malware, nesse caso a informação será quanto a comportamentos incômodos e inadequados”. Mallon ainda diz que “propaganda não é algo ruim, o que não pode é passar dos limites, como por exemplo, abrir uma página de propaganda toda vez que se sai do app”.

Este banco de dados Norton Mobile Insights é exclusivo do Norton Mobile Security, onde completa Mallon, “Dar ao consumidor mais informações sobre o que seus apps estão fazendo será um de nossos diferenciais daqui pra frente”.

Também foram adicionados recursos de proteção contra sites maliciosos ao navegador Chrome e a proteção antifurto do iOS ampliada para dispositivos Wi-Fi, que através do portal do Norton Mobile Security será possível localizar o aparelho.

Para adquirir a esse novo Norton Mobile Security será necessário fazer uma assinatura que custa em torno de US$ 30,00 por ano e atende até 10 aparelhos iOS ou Android. O espaço necessário de memória no aparelho é de 15 MB e as versões compatíveis são 5.0 do iOS e 2.2 do Android em diante.

“Pen drive mais rápido do mundo” chega ao mercado

pendrive-mais-rapidaA Intel lançou durante a Computex 2013, feira de tecnologia realizada em Taiwan, o que chamam de “pen drive mais rápido do mundo”. O aparelho tem capacidade de 128 GB e funciona através da tecnologia Thunderbolt, muito mais rápida para transmissão de dados que a tradicional conexão USB.

Seu design de referência lembra o formato de uma chave e funciona conectado a uma porta Thunderbolt. A sua parte interna trata-se de uma unidade SSD da SanDisk. Pode transferir dados com taxas médias de 10 Gigabits/s, bem superior que uma interface USB 3.0 que atinge praticamente metade da velocidade do Thunderbolt.

Este é um dos primeiros aparelhos a usar a tecnologia Thunderbolt que atualmente é a mais rápida em questão de transferência de dados, segundo o engenheiro da Intel, Oren Huber, e completa que há muito interesse dos fabricantes em desenvolver produtos a partir desse design.

Apesar dos Macs e poucos PCs já virem equipados com portas Thunderbolt, ainda há um número muito pequeno de acessórios disponíveis para essa tecnologia no mercado, onde grande parte são monitores ou discos externos, e a maioria deles precisa de um cabo de conexão que não são baratos. A Apple comercializa esses cabos com preços em torno de US$ 39,00, isto porque são mais complexos que os tradicionais, dispondo de 6 chips em cada conector e outros inúmeros componentes integrados.

Como toda nova tecnologia, a Thunderbolt também tende a evoluir, segundo Huber, assim a Intel já lançou a Thunderbolt 2, que tem o dobro da velocidade da atual e deverá estar disponível no mercado até o final do ano, e anunciou o desenvolvimento para tablets e smartphones.

 

Empresa que confia em tecnologia alcança melhores resultados

empresa-tecnologiaA Symantec, empresa responsável por segurança na internet, concluiu ao realizar uma pesquisa com pequenas e médias empresas, que aquelas que têm mais confiança em utilizar tecnologia alcançam resultados mais sólidos e melhores em seus negócios.
Foram ouvidas cerca de 2.500 empresas de pequeno e médio porte no mundo, com a intenção de determinar suas relações com base no uso da tecnologia da informação (TI) para atingir objetivos estratégicos, e a partir das respostas, foi desenvolvido um índice de confiança do porte destas empresas em TI.
A partir dos resultados obtidos foram criadas três categorias, de acordo com o nível de confiança, onde a base principal das comparações de estudo foi formada pelas empresas de maior e menor confiança em TI.
Dentre as empresas com maior índice de confiança, 83% utilizam a tecnologia para facilitar as estratégias de negócios, e 44% que apresentam baixo índice.
As empresas que apresentaram maior confiança na tecnologia tendem a investir mais, como por exemplo em infraestrutura de TI de qualidade, computação em nuvem e mobilidade. Em 81% dos casos destas empresas comentaram que a TI contribui no aumento da participação do mercado.