Google apresenta resultados sobre os pedidos de remoção de conteúdo

Google

Além da crescente preocupação do vazamento de dados na internet principalmente relacionado aos governos em todo o mundo, onde os Estados Unidos foram acusados de espionar informações importantes e sigilosas, houve também um aumento em torno de 68% no número de pedidos de remoção de conteúdo publicados na internet por difamação, privacidade, críticas a governo, entre outros, de acordo com os resultados apresentados no mais recente relatório de transparência do Google referente ao período de janeiro e junho de 2013.

A internet se tornou uma ferramenta muito importante na divulgação de todo o tipo de informação, mas muitas pessoas e governos se acham ameaçados quando algum tipo de conteúdo vaza pela rede mundial de computadores, sobretudo que cada vez mais as pessoas se conectam, e portanto podem buscar a todo o tipo de informação sem censura.

Devido a esta liberdade é que diariamente empresas, órgãos, governos e pessoas solicitam que sejam retirados diversos conteúdos, desde links a vídeos, que podem comprometer a honra, quebrar a privacidade ou vazar informações muito importantes, como também violar direitos autorais.

Países que lideram o pedido de remoção de conteúdo são Turquia e Rússia, enquanto que o Brasil vem perdendo posições no ranking elaborado pelo Google.

Vale ressaltar que nem todos os pedidos de remoção de conteúdo acabam chegando nos tribunais, pois o Google é bem ágil em responder e retirar o material, contudo quando avalia-se que não há algum tipo de prejuízo grave a honra, imagem ou direito autoral, cerca de um terço dos casos acabam como ação na justiça.

Veja os gráficos publicados com os resumos de todas as solicitações do Google Transparency Report:

Período - RelatórioRelatório - Por Motivo

Vendas de E-commerce neste Natal crescem 41% em comparação a 2012

E-commerce

Já se foi o tempo em que as pessoas durante o período natalino tinham somente como alternativa sair para fazer compras em lojas físicas, encarando trânsito para se deslocar e se deparando com repletas pessoas de modo desconfortável, cansativo e com o risco de ser assaltado, contudo, graças ao avanço da tecnologia, é crescente a quantidade de pessoas que trocam as lojas de rua e shoppings pela tela de um computador, de um tablet ou de até um smartphone.

De acordo com a consultoria e-Bit, que é referência no fornecimento de informações sobre e-commerce nacional, de 15 de novembro a 24 de dezembro de 2013 o comércio eletrônico no Brasil alcançou o volume de vendas de R$ 4,3 bilhões, com incremento de faturamento de 41% em comparação ao mesmo período de 2012, superando assim a expectativa inicial de que haveria um aumento em torno de 25%.

Cerca de 10 milhões de pessoas compraram através do comércio eletrônico no Brasil neste Natal com diversas opções de sites disponíveis, onde visitaram as lojas na hora que desejaram, fizeram comparação de preços e na maioria das vezes com itens anunciados bem mais baratos que numa lógica física.

O setor que atingiu um maior número de vendas nesta época foi o de moda e acessórios, mesmo com a desvantagem de não poder experimentar uma peça de vestuário, seguido por eletrodomésticos, telefonia/celular, livros e informática.

E um dos maiores desafios do comércio virtual é trazer cada vez mais novos consumidores para este meio de compras, pois muitas pessoas ainda continuam receosas em comprar pela internet por não ter contato físico com o produto e não admitir cadastrar seus dados pessoais e fornecer o número do cartão de crédito, mesmo se a empresa é bem conceituada no mercado tradicional, mas é uma questão de tempo para esta desconfiança ser deixada de lado e se render ao e-commerce, obrigando o comércio tradicional a criar novas estratégias de vendas.

Site verifica e-mails de usuários em possíveis vazamentos de dados

Verificação de Nome e Senhas

Cada vez mais as pessoas estão criando diversos tipos de contas virtuais de acesso através de um login com nome e senha, desde e-mails até as famosas redes sociais, o que faz com que guardem informações importantes e consequentemente passam a correr risco de vazamento delas.

Para verificar se os dados de acesso através de seu e-mail já estiveram envolvidos em alguma violação, foi criado o www.haveibeenpwned.com. Desenvolvido pelo australiano Troy Hunt, este site tem um mecanismo que mapeia se um determinado e-mail faz parte do banco de dados que vazou em empresas como Yahoo, Adobe, Stratfor, Snapchat, Vodafone, Sony, Gawker e Pixel Federation.

Hunt destaca que o seu site armazena somente os registros dos e-mails que fazem parte do banco de dados de violação e não as senhas vazadas, pois não precisa das mesmas, somente os e-mails já são suficientes para alertar as pessoas.

Divulgado publicamente, o maior caso recente de incidente de violação de dados ocorreu em outubro de 2013 com a Adobe, onde cerca de 153 milhões de registros contendo os campos de e-mail e senhas estiveram expostos.

Em um aspecto interessante no resultado da consolidação das informações, Hunt ao adicionar em seu sistema o banco de dados da Stratfor aos registros da Adobe verificou que 16% dos e-mails já existiam, ao adicionar a Sony chegou a 17%, e ao completar com o Yahoo atingiu 22%.

Assim, o principal objetivo de Hunt é demonstrar aos usuários que na medida que faz a carga de registros de violações em seu sistema, resulta em uma alta correlação com os que já existiam, e portanto planeja manter a atualização e disponibilizar no site os próximos vazamentos que se tornarem públicos.

Microsoft anuncia serviço do Windows Azure em datacenter no Brasil

Windows Azure

Na semana passada, a Microsoft anunciou um novo investimento no Brasil que trata da operação do Windows Azure, serviço de computação da Microsoft em nuvem (cloud computing), onde empresas brasileiras e latino-americanas terão a possibilidade de armazenar dados e aplicações em datacenter localizado no Brasil, com previsão de início dos serviços disponíveis a partir do primeiro semestre de 2014. Mariano de Beer, presidente da Microsoft Brasil, diz que o país será o centro da região de produtos e soluções Microsoft.

Segundo Beer, atualmente o Windows Azure possui em torno de 3,5 mil clientes brasileiros desde pessoas físicas até grandes empresas.

Ainda não foi divulgado o local em que o datacenter da empresa será instalado, sabe-se apenas que será em um imóvel locado no Estado de São Paulo com equipamentos e operação da Microsoft no cuidado de não prejudicar com o crescimento de demanda.

Steven Martin, gerente geral do Azure, deixou no ar que a Microsoft pretende criar uma operação voltada para a região norte do Brasil.

A estimativa de investimento gira em torno de US$ 1 bilhão em operações do serviço, mas não se sabe qual parcela desse valor será aplicada no Brasil, o que se espera é um aumento na capacidade de atendimento do datacenter em questão, bem como no número de clientes.

Será disponibilizado ao serviço o suporte no idioma português com plano de atendimento 24x7x365 (vinte e quatro horas por dia, nos sete dias da semana durante o ano todo) para nuvens privadas e híbridas, com a promessa de aumentar a velocidade de acesso aos dados entre 10 a 20 vezes a mais comparada com a atual.

O Windows Azure recebe cerca de 1.000 clientes novos por dia, desses 54% são do ranking da Fortune 500, revista de negócios americana que publica a lista anual de empresas por faturamento. Em torno de 170.000 sites já usam o serviço para o armazenamento de dados.

Além de suportar máquinas virtuais Windows, o serviço atende também Linux, Haddop e SQL Server, além de plataformas abertas como Joomla, Dupral e WordPress. Para quem trabalha com desenvolvimento em Java, Pyton, PHP, .NET e Node.js é possível obter gratuitamente as ferramentas de comando e os SDKs (em inglês, Software Development Kit – pacote de desenvolvimento de software) necessários acessando o site do Windows Azure.

 

Rio 2016 seleciona a Cisco como fornecedora oficial de TI

Rio 2016

O Comitê organizador dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016 selecionou a Cisco como fornecedora oficial de infraestrutura de Tecnologia da Informação (TI). A empresa preencheu todas as condições exigidas pelo Comitê referentes a equipamentos de rede e servidores corporativos, e sendo a base da rede para os jogos também contará com outras parcerias do Comitê Olímpico Internacional (COI) e Rio 2016.

A Cisco será responsável pelo fornecimento de toda a infraestrutura de rede do evento, compreendendo as conexões da rede local (LAN, em inglês Local Area Network) com cabos e sem fio, roteadores IP (do inglês Internet Protocol – Protocolo de Internet) e toda estrutura necessária com relação a segurança de acesso, sistemas de gestão e datacenter. Também fornecerá servidores do tipo Blade e Rack do Sistema de Computação Unificada (UCS – do inglês Unified Computing System), que combina redes de alta velocidade, servidores de alto desempenho, acesso de armazenamento e virtualização em uma única infraestrutura inteligente integrada.

Em conjunto com outros parceiros, a Cisco desenvolverá e implantará para o Rio 2016 todo o projeto de TI aplicando sua ampla experiência de mercado mundial, considerando as etapas do processo de criação, suporte e administração das redes e dos datacenters voltados a missão crítica.

Todo o fornecimento de equipamentos de rede e servidores necessários para atender a demanda dos jogos olímpicos e espectadores serão integrados com a solução Cisco Connected Sports, que proporcionará a combinação de formas de comunicação e entretenimento em uma rede unificada, interligando todos os locais onde ocorrerá o evento com as equipes competidoras e os torcedores.

Como referência de um caso de sucesso desse porte, a Cisco atuou na olimpíada Londres 2012, onde produziu e executou um trabalho de infraestrutura de TI com excelentes resultados aplicando um sistema de alta tecnologia com enfoque em serviços de nível internacional.

Aumenta diferença das características entre o PS4 e o Xbox One

PS 4 x Xbox One

Para Andrew House, presidente da Sony Computer Entertainment, em declaração feita durante uma apresentação da Sony em Londres, a diferença gráfica entre os consoles de jogos PlayStation 4 da Sony e o Xbox One da Microsoft irá aumentar com o passar dos tempos devido a maior potência do hardware e consequente aumento no processamento de gráficos.

House relata que um dos fatores que contribuirão para as diferenças entre as duas plataformas será a facilidade no desenvolvimento da programação para o PS4.

Além disso, o ambiente que a Sony criou na sua retaguarda contribuirá com os produtores no investimento em novas ideias, e assim permitirá gerar elementos reais que em gerações dos consoles anteriores não era possível, completa House.

E House concluí que a computação em nuvem (cloud computing) será o futuro da indústria não apenas com relação ao segmento de consoles de jogos eletrônicos, mas também a todos os dispositivos eletrônicos disponíveis para uso, considerando que a velocidade de evolução dessa tecnologia será muito maior que a expectativa dos consumidores e a Sony se destacará no mercado.

Comparativo atual entre o Playstation 4 x Xbox One:
Comparativo entre o Xbox One x Playstation 4

 Fonte: ZOOM

Windows 8.1 se destaca à frente entre os sistemas operacionais

Windows 8.1

De acordo com os registros apresentados no início de dezembro de 2013 pelo rastreador de análises da web Net Applications, a versão mais recente do Microsoft Windows passou a frente do Mac OS X e alcançou o quinto lugar entre os sistemas operacionais populares mais utilizados no mundo.

O resultado da pesquisa aponta que 2,64% do tráfego de navegação web registrado pelo uso de sistema operacional voltado a desktops foi com a versão do Microsoft Windows 8.1, seguido pelo Mac OS X 10.9 Mavericks com 2,42%.

A versão Microsoft Windows 7 lidera o resultado do ranking com 46,64% , em segundo segue a versão Windows XP com 31,22%, que a partir de abril de 2014 não contará mais com o suporte, o Windows 8 aparece na terceira posição com 6,66%, e a posição dos demais é mostrada abaixo conforme gráfico gerado pela Net Applications.

 Windows 8.1

Fonte:CNET

Plano da Microsoft é unificar as 3 versões do Windows

Windows

Em conferência realizada na semana passada pela UBS Global Technology na cidade americana de Sausalito, estado da California, onde líderes do setor de Tecnologia da Informação apresentaram suas perspectivas corporativas de desempenho para o próximo ano, a diretora de produtos da Microsoft, Julie Larson-Green,  anunciou que as versões do Windows que a empresa dispõe tais como Windows 8, Windows Phone e Windows RT serão unificadas futuramente, passando assim a ter apenas uma versão do sistema operacional Windows.

No momento a Microsoft está empenhada em um trabalho para juntar o e-commerce de aplicativos para aparelhos móveis com Windows Phone e equipamentos com Windows, tendo como ponto de partida simplificar aos desenvolvedores o registro de cadastro.

Larson-Green comenta sobre o investimento em aparelhos vestíveis, que trata de uma fase importante para a empresa, pois segundo ela os sensores serão parte no modo das pessoas pensarem de tudo que estiver ao seu redor.

Descrevendo sensores que alertam quando um ônibus está atrasado ou lembrá-lo para completar o exercício diário, Larson-Green diz que a Microsoft pode reunir sensores e software de novas maneiras, e cita invenções como o mouse e o toque de tela até a tendência da forma de interagir entre as pessoas e os objetos.

Existem boatos em que a Microsoft pode estar testando um SmartWatch com um display de 1,5 polegadas e um conector de superfície. Com a aquisição da Nokia, o trabalho poderia intensificar como a fabricante de smartphones finlandesa criou o seu próprio conceito de um relógio inteligente.

 

A atenção das empresas no uso da criptografia

Criptografia 3

 

A Electronic Frontier Foundation (EFF, em português, Fundação Fronteira Eletrônica), sediada nos Estados Unidos e criada para defender os interesses públicos relacionados à privacidade e liberdade civis, realizou uma pesquisa entre as grandes companhias de tecnologia para verificar quais reforços de criptografia estão sendo aplicados para evitar possíveis interceptações e proteger a privacidade de seus usuários finais em cuidado e atenção especial após vir à tona o escândalo motivado pela revelação de ações de espionagem por parte da Agência de Segurança Nacional americana (em inglês, National Security Agency – NSA).

Entre as empresas pesquisadas estão Google, Facebook, Sonic.net, Dropbox e SpiderOak que relataram implementações de padrões de criptografias de mercado com o objetivo principal de garantir segurança na comunicação entre os usuários.

Além das empresas citadas acima, outras foram contatadas onde parte estão em fase de implementação de alguns padrões e demais não divulgaram suas ações.

Abaixo segue a tabela que relaciona as principais empresas que foram pesquisadas com cada padrão de criptografia aplicado:

Principais Empresas Crédito imagem:EFF