Hackers lucram com vírus que gera visualizações no YouTube

Vírus identificado

Os cibercriminosos encontraram uma nova maneira de lucrar: receber bonificações pagas por acesso aos conteúdos no YouTube, site de vídeos do Google.

De acordo com o relatório da Symantec, empresa de soluções de proteção e segurança da internet e redes, foi identificado um novo vírus chamado de Tubrosa, que força computadores, assim que infectados, a visualizarem determinados vídeos no YouTube com o objetivo de gerar receitas de publicidade que são repassadas aos hackers.

No computador infectado, é ativada uma lista com cerca de mil links do YouTube que são abertos na máquina sem que o usuário perceba. O vírus chega a instalar o software Flash Player caso o computador não tenha a ferramenta de visualização de vídeo, e diminui sutilmente o volume de áudio.

O Tubrosa também é capaz de burlar os sistemas antifraudes dos servidores do Google, que identificam quando uma mesma máquina está acessando um mesmo vídeo de maneira repetitiva. O vírus executa dois scripts PHP, que transformam cada visita de uma mesma pessoa como usuário diferente.

Através de mensagens falsas que chegam por e-mail, a infecção acontece por meio de phishing, quando o golpe se dá ao clicar num link que direciona a sites fraudulentos, e acaba reduzindo acentuadamente o desempenho da máquina.

A Symantec estima que este tipo de ataque já rendeu aos cibercriminosos cerca de alguns milhares de dólares, podendo ser este valor bem maior, pois não estão sendo consideradas pelos especialistas outras campanhas de publicidade semelhantes que estejam sendo infectadas pelo Tubrosa.

Usuários compartilham seus dispositivos sem tomar precauções

Segurança na internet

Segundo pesquisa da B2B Internacional em conjunto com a Kaspersky Lab, 32% dos entrevistados que utilizam dispositivos habilitados para uso na internet, compartilhados com terceiros, não tomam os devidos cuidados para proteger suas informações.

A pesquisa mostra que de cada 3 entrevistados, 1 compartilha seus dispositivos na residência. Dispondo de computador, smartphone ou tablet com acesso à internet, 28% dos entrevistados dividem seus dispositivos com outros adultos, 5% com crianças e cerca de 1% com amigos ou outros conhecidos.

O risco de cair em um golpe cibercriminoso cresce à medida que aumenta o número de compartilhamento de um mesmo dispositivo, contudo a pesquisa aponta que 32% dos entrevistados acreditam que o compartilhamento não traga riscos que resultem em roubo ou perda de dados, 33% costumam fazer cópia de segurança de dados importantes, 32% utilizam senha como proteção e 22% evitam armazenar informações importantes nos dispositivos.

Para Peter Aleshkin, Gerente de Marketing para consumidores dos mercados emergentes da Kaspersky Lab, compartilhar dispositivos aumenta o risco de infecção por malware que pode ocasionar perda de dados e roubo de contas, e dá algumas dicas para se proteger, tais como: fazer backup sempre, excluir informações importantes que não devem cair em mãos erradas (desativar o preenchimento automático e restringir o direito de acesso dos usuários), e principalmente, instalar programas confiáveis que ofereçam proteção.

Busca por “ar condicionado” bate recorde no Google

Busca no Google

Com as altas temperaturas climáticas registradas no ano de 2014 e previsão para 2015 que continuem seguindo altos patamares, o volume gerado de busca do termo “ar condicionado” no Google também esteve em alta.

Segundo informações do Google Trends, plataforma que mede em uma escala de 0 a 100 as palavras mais pesquisadas em seu poderoso buscador, o termo “ar condicionado” atingiu o nível 100 e ainda ultrapassou 37 pontos em comparação à medição de 2014.

Outro termo que confirma as altas temperaturas que estamos tendo é “ventilador”, que também atingiu o patamar 100 na escala com 30 pontos acima do ano passado.

Se o calor continuar a registrar estes altos recordes, a tendência é que tenhamos novos termos que atingirão o topo da escala do Google Trends relacionados à economia de água bem como da energia elétrica.

Compra pela primeira vez na internet cresce no Brasil

Compras na internet

De acordo com o E-bit, consultoria de comércio eletrônico, no ano de 2014 cerca de 10 milhões de brasileiros utilizaram a internet para fazer suas compras pela primeira vez online, representando um aumento de 25% quando comparado a 2013.

Foram mais de 100 milhões de pedidos realizados com um ticket médio de R$ 347,00, totalizando 51,5 milhões de consumidores.

Segundo Pedro Guasti, Diretor-Executivo do E-bit, as vendas do comércio eletrônico cresceram devido à instabilidade financeira, que gera uma busca por menores preços, como também à Copa do Mundo, que levou a um aumento na procura por aparelhos de TV e artigos esportivos.

A expectativa para 2015 é de crescimento também, embora em números menores. Os dados do E-bit projetam um crescimento na casa dos 20% em relação a 2014, mesmo com aumento da inflação e taxas de crédito. Estima-se que o acesso às lojas virtuais através de dispositivos móveis seja a base desse aumento.

São Paulo e Nova York estarão ligadas por cabo submarino de fibra ótica

Conexão fibra óptica

Hoje foi anunciado pela Partners Group, gestora suíça de investimentos, o acordo que financiará a construção do primeiro cabo submarino de fibra óptica entre a cidade de São Paulo, Brasil, e Nova York, nos Estados Unidos.

A um custo orçado de US$ 500 milhões, o projeto chamado de Seabras-1 está sendo planejado pela Seaborn Networks, desenvolvedora e operadora de sistemas de cabos submarinos de fibra ótica, utilizará tecnologia de ponta no que diz respeito a serviços de banda larga e conectividade, e a previsão de início da operação é em dois anos.

De acordo com a Partner Group, hoje os cabos que unem Brasil e Estados Unidos transportam em torno de 65% dos dados trafegados entre a América Latina e as demais partes do mundo.

O Banco francês Natixis será responsável pela estruturação da subscrição integral de US$ 270 milhões em títulos sêniores de dívida para financiar o projeto, que em conjunto com o investimento de capital da Partners Group financiará integralmente o Seabras-1, além da venda da capacidade de uso para tráfego de dados à corporações, já confirmando como uma das primeiras participantes a própria Microsoft.

Atualizações do Windows 7 pela Microsoft não trará mais novos recursos

Windows 7

A partir desta semana, o Windows 7 deixa de receber o chamado suporte “mainstream” e passa para o suporte “extended”, ou seja, a Microsoft continuará a enviar updates de segurança para os seus usuários pelo período de mais cinco anos mantendo o sistema operável, porém, sem disponibilizar novos recursos.

Soluções sobre estabilidade e confiabilidade só serão enviadas para empresas que possuem pacotes de suporte ativos. Desta forma, o sistema operacional mais popular do mundo chega ao seu ciclo de meia vida com data prevista pela Microsoft para encerramento em 14 de janeiro de 2020.

Em dezembro passado, o Windows 7 atingiu números próximos de bater recordes como 56% de sistemas operacionais pessoais e 62% de todas as versões Windows. Um dos fatos que popularizou o Windows 7 foi o lançamento da versão 8, sucessora que acabou sendo muito criticada, e assim contribuiu com um aumento de 12% de sua participação no mercado com um ganho total de 26%.

A Gartner, empresa que realiza pesquisas, consultoria e eventos, já vem orientando às empresas para que comecem a planejar a troca antes do término do suporte ao Windows 7, a fim de evitar a exemplo do ocorrido com o Windows XP, mantendo-se o sistema operacional sem a opção da atualização de patches de correção e segurança.

Samsung amplia lista de produtos com o novo drive SSD externo

Driver SSD

A Samsung acaba de incluir na sua linha de produtos o drive SSD externo (do inglês, solid state drive – drive de estado sólido), chamado de Portable SSD T1. O único requisito para conexão dos novos drives SSD externos ao dispositivo em uso é ter uma porta USB 3.0.

Os mesmos são oferecidos com capacidade de 250GB, 500GB e 1TB e os preços praticados nos Estados Unidos são respectivamente: US$ 180, US$ 300,00 e US$ 600. O produto é pequeno e leve facilitando o transporte, embora seja mais caro quando comparado ao disco rígido magnético de 1TB que custa menos de US$ 100.

Hoje em dia é comum cada vez mais os usuários baixarem um volume maior de conteúdos e programas multimídia, e devido à limitação de espaço em discos internos de desktops e laptops, a procura por discos externos vem crescendo consideravelmente.

Como vantagens dos drives SSD sobre os HDs comuns, podemos citar maior velocidade para leitura e escrita dos registros (atinge até 450 MB/s), e o fato de não possuírem discos físicos consomem menos energia elétrica.

Cresce em 2014 o número de pedidos de remoção de conteúdo no Google

Remoção no Google

A cada ano, o aumento de solicitações para remoção de conteúdo indevido e ilegal no Google tem um aumento considerável.

Somente em 2014 foram cerca de 345 milhões, comparado com apenas algumas dezenas no ano de 2008 de acordo com o TorrentFreak, blog dedicado em reportar as últimas notícias e acontecimentos sobre compartilhamento de arquivos BitTorrent (protocolo de rede que permite fazer o download de arquivos em geral), que acompanha toda a semana a movimentação dos registros no Google.

A gigante de buscas na internet relatou que chegou a alcançar mais de um milhão de links analisados em um único dia, e que grande parte das URLs (do inglês, Uniform Resource Locator, Localizador Padrão de Recursos) precisaram ser retiradas.

Ainda segundo o TorrentFreak, em 2014 quem mais fez solicitações foi o grupo BPI (British Phonographic Industry), do segmento da indústria britânica de músicas, com mais de 60 milhões de URLs problemáticas, e os sites 4shared.com, rapidgator.net e uploaded.net que totalizaram cada um em torno de cinco milhões de reclamações.