Fire TV Stick da Amazon chega ao Brasil; Confira suas funcionalidades

0110Nos Estados Unidos, a Amazon não está consolidada apenas como varejista, mas, também, como empresa de tecnologia. Com a chegada do Fire TV Stick ao Brasil, a empresa dá a entender que pretende seguir o mesmo caminho aqui também. Neste post, você confere tudo sobre esse novo produto no mercado nacional! Confira:O que é o Fire TV Stick?

O Fire TV Stick promete bater de frente com o Chromecast, da concorrente Google, que até então ocupava a confortável posição de ser o único dispositivo do tipo vendido no Brasil. O aparato da Amazon é muito semelhante: ao ser conectado na porta HDMI de uma TV comum, ele a transforma em uma smart TV instantaneamente.

Assim, o usuário tem acesso a aplicativos como YouTube, Spotify e Netflix – apesar de o próprio serviço de streaming da Amazon, o Amazon Video Prime, também estar disponível no dispositivo. Do mesmo modo, é possível usá-lo para certos games.

Suas configurações não são muito robustas: ele funciona com uma versão customizada do sistema Android, tem processador quad-core, 1 GB de memória RAM e 8 GB de memória de armazenamento, que pode ser usada para baixar e instalar os aplicativos e jogos de preferência de usuário. Porém, ele não precisa de muito mais do que isso para realizar o que se propõe.

O Fire TV Stick foi lançado no mercado nacional no último dia 21 de novembro, bem a tempo para as compras de Natal. Assim como o Kindle, ele é vendido exclusivamente no site da Amazon.

Quais são as funcionalidades do Fire TV Stick?

À primeira vista, o Fire TV Stick não parece mais do que um pendrive grande demais. Entretanto, o pequeno dispositivo tem muito a oferecer para o usuário!

Ele permite que qualquer um carregue todos os aplicativos de uso rotineiro consigo e use-os em qualquer televisão, desde que haja uma conexão Wi-Fi disponível. Essa é a razão porque sua pequena memória não é um problema: não há a necessidade de baixar muitos arquivos, você sempre pode se conectar a rede para acessar seus serviços de streaming.

Quanto custa o Fire TV Stick?

O Fire TV Stick chegou ao mercado brasileiro pelo valor de R$ 289. Ele pode ser parcelado em até 12 vezes sem juros no site da Amazon. Seu concorrente direto, o Chromecast, fica em R$ 250.

 Como saber se vale a pena comprar o Fire TV Stick?

Não há dúvida de que aparelhos como o Fire TV Stick são impressionantes e muito úteis. Mas, ele vale a pena mesmo? A resposta é: depende do seu perfil.

O usuário que mais se beneficia de dispositivos do tipo é aquele que não tem uma smart TV em casa, mas gostaria de ter. Nesse caso, é um excelente negócio: o Fire TV Stick é claramente mais barato que a compra de um aparelho mais atualizado.

Quem viaja muito também tende a se beneficiar muito dele. Com o dispositivo, você tem acesso a seus aplicativos, músicas e filmes em qualquer lugar com uma TV e acesso à internet – basicamente, de qualquer hotel do mundo.

Todas as notícias e informações do mercado da Tecnologia e Informação você acompanha aqui em nosso blog. Em busca de serviços e soluções, segurança e proteção em TI para você e seus negócios? Visite nosso site e fale com a gente! Acesse: https://goo.gl/dDo9My

ANATEL promete bloqueio de celular pirata a partir de 2018

bloqueio-celular-pirata2Em julho deste ano, a Agência Nacional de Telecomunicações (ANATEL) declarou que pretendia implementar o bloqueio de celular pirata no Brasil. Em novembro, a agência anunciou que a medida entra em vigor a partir de 2018.

Nós usamos nossos celulares para praticamente tudo. Não é à toa que a medida do bloqueio de celular pirata gerou muita apreensão: muitas pessoas ficaram em dúvida a respeito dos critérios do bloqueio adotados, além de não saberem como fazer para saber se os seus aparelhos corriam risco.

Neste guia, você encontra todas as informações essenciais a respeito do bloqueio de celular pirata pela ANATEL: quais modelos são considerados irregulares, como saber se o seu gadget corre risco e quando a medida entra em vigor. Confira:

 Quais aparelhos serão bloqueados?

 Para a ANATEL, os aparelhos piratas são aqueles que atendem a um desses critérios:

  • O aparelho não está homologado por ela própria para uso em território nacional;
  • O aparelho teve o IMEI adulterado.

O que é o IMEI e o que ele tem a ver com o bloqueio de celular pirata?

 O IMEI está para um celular como o chassi está para um carro. É um número de identificação, único e intransferível, que é atribuído ao aparelho e fica registrado na rede na primeira conexão feita por ele.

Quando um celular é furtado ou roubado, muitas vezes o dono pede o bloqueio do IMEI junto à operadora. Isso faz com que ele fique inutilizável.

Entretanto, há um grande mercado ilegal de desbloqueios irregulares. Os criminosos adulteram o IMEI e, deste modo, o celular volta a funcionar. Com a nova medida de bloqueio de celulares pirata, essa prática está com os dias contados.

Como saber se o meu celular é considerado pirata?

 No site da ANATEL, é possível descobrir se o modelo do celular está ou não homologado pela agência. Caso ele não esteja, pode ser que não haja motivo para preocupação: só serão bloqueados os aparelhos irregulares que entrarem na rede após a data oficial do início do bloqueio. O registro ficará “congelado” e aparelhos antigos continuarão funcionando.

Quanto ao IMEI, você pode descobri-lo abrindo o discador do seu celular e digitando *#06#. Se o número que aparecer for diferente do que consta na caixa ou na nota fiscal, isso significa que provavelmente houve adulteração.

 Comprei um celular no exterior. Corro o risco de tê-lo bloqueado?

 Com os altos preços dos smartphones no Brasil, muita gente aproveita as férias para adquiri-los no exterior, por um preço mais baixo. A pergunta é: eles serão bloqueados?

Se o seu aparelho foi fabricado por uma das gigantes do setor, você provavelmente não tem com o que se preocupar: se ele tiver sido registrado por uma organização participante da associação GMSA, não há problemas.

Serei pego de surpresa pelo bloqueio?

Não! A ANATEL começará a notificar os donos de aparelhos irregulares em fevereiro de 2018. O bloqueio acontece 75 dias depois do envio da primeira notificação.

Além disso, a agência estabeleceu um cronograma por regiões. O bloqueio a partir de 9 de março vale apenas para Goiás e Distrito Federal. Os prazos das demais regiões estão no site da ANATEL.

Fique por dentro de tudo o que acontece no mercado tecnológico com a TND Brasil. Temos soluções completas de TI para sua empresa, com gerenciamento avançado de capacidade para transformar seu ambiente computacional bem flexível, com desempenho, eficiência e confiabilidade. Solicite um orçamento. Acesse: http://www.tndbrasil.com.br/contato-tnd/

Notebooks gamers: confira Modelos e diferentes preços

notebooks-gamers-confira-modelos-e-diferentes-preços2Os notebooks gamers são fundamentais para quem faz parte do universo de jogos e entretenimento. Diferentemente das máquinas comuns, eles são dotados de algumas configurações específicas para garantir uma boa experiência. O objetivo é aumentar a performance e a qualidade gráfica dos games, evitando a queda de frames (quadros ou imagens reproduzidos nos vídeos).

Aos poucos, as marcas começam a se aventurar e lançar novos notebooks gamers. Por conta disso, a cada ano há mais modelos para escolher. Para ajudar na escolha, preparamos uma seleção com três modelos, em diferentes faixas de preço, para que você encontre uma máquina que supra as suas necessidades e caiba no seu bolso. Confira abaixo:

Notebooks gamers Samsung NP800G5M (Odyssey)

A Samsung pode ser novata no segmento de notebooks gamers, mas fez uma entrada triunfal no mercado com o modelo NP800G5M, também conhecido como Odyssey.

A primeira e mais clara vantagem dessa máquina é o preço: ela pode ser encontrada por cerca de R$ 3.500 em lojas online. É um excelente valor, considerando que os notebooks gamers mais robustos geralmente custam mais.

Ele está disponível nos processadores Intel i5 e Intel i7, para que o usuário escolha conforme sua necessidade e o valor que está disposto a investir. Também é possível escolher entre dois tamanhos de tela: 15,6 ou 17 polegadas.

Por parte da Samsung, o destaque é o sistema de refrigeração inteligente, que promete não permitir que a máquina superaqueça.

Por fim, o notebook vem equipado com uma tela antirreflexo e uma placa de vídeo Nvidia GeForce GTX 1050, que garante um desempenho gráfico equivalente a um desktop. É a máquina ideal para quem não joga nada que possua requisitos mínimos bastante elevados.

Notebook Lenovo Legion Y720

Essa máquina fica no grupo dos notebooks gamers intermediários. Um pouco mais robusto que o anterior, ele se destaca por ser um suporte a Realidade Virtual mais eficiente, permitindo que o jogador se sinta literalmente no meio da partida.

Com processador Intel® Core™ i7 e placa de vídeo NVIDIA GeForce GTX 1060, ele dá suporte a jogos um pouco mais pesados. Está disponível em versões com 8 e 16 GB de memória RAM.

As configurações um pouco mais avançadas elevam seu preço, mas o Lenovo Legion Y720 se mantém em uma faixa mais acessível: seu modelo mais básico fica em R$ 5.499 no site da própria fabricante.

Alienware 17 R4

Praticamente todos que participam do universo dos games têm os notebooks gamers Alienware como objeto de desejo. Com uma estrutura extremamente robusta, ele roda até mesmo os jogos mais pesados, nas mais altas configurações, sem problemas de desempenho.

O modelo Alienware 17 R4 vem com processador Intel® Core™ I7-7820HK, Quad Core, 2.9 GHz expansível até 3.9 GHz. Isso, junto com a placa de vídeo Nvidia GeForce GTX 1080, 8GB GDDR5X, VR Ready garante altíssimo desempenho e é especialmente preparada para dar suporte à realidade virtual.

Entretanto, esse hardware poderoso tem seu preço: os notebooks gamers Alienware exigem um investimento bastante alto. No caso do modelo 17 R4, o preço fica em R$ 15 mil no site oficial da fabricante.

Tem interesse em adquirir um notebook? Entre em contato conosco, ofereceremos as melhores condições comerciais.

Acesse: http://www.tndbrasil.com.br/contato-tnd/

Caso Uber: 4 dicas para proteger sua empresa de hackers

notebooks-gamers-confira-modelos-e-diferentes-preços2Queda da ação na bolsa de valores, uso de phishing e implicação com processos judiciais: tudo isso fez o chamado caso Uber rodar o mundo nos últimos dias. A gigante no ramo dos transportes enfrenta mais um escândalo e ganha manchete por um motivo nada nobre.

Além de ter sofrido uma invasão no banco de dados que culminou no roubo de 57 milhões de motoristas e usuários, a Uber tentou abafar o caso, o que foi ainda pior. A corporação teria pago US$ 100 mil pela eliminação do material “roubado”.

Em uma era onde praticamente todas as informações são digitalizadas, essa é a hora de todos os empreendedores refletirem: se uma empresa desse calibre teve dados roubados, o que impede que negócios menores sofram seu próprio caso Uber?

A resposta é simples: medidas de segurança de dados. Confira algumas delas, que protegem os dados da sua empresa de hackers:

1- Cuidado com os repositórios de códigos. Caso Uber:

No caso Uber, as informações foram roubadas por meio do GitHub, um repositório de código. Trata-se de uma ferramenta muito útil para quem tem programadores trabalhando de modo remoto. Nela, é possível que todos trabalhem no código de onde estiverem, como se editassem um arquivo no Google Drive.

Há códigos que ficam na plataforma em modo público, o que, a princípio, é perfeitamente seguro. Entretanto, no caso Uber, o erro foi deixar informações críticas à mostra nesse espaço. Nesses casos, a criptografia não é suficiente: hackers têm o olhar treinado para esse tipo de coisa.

Não há nada de errado em usar repositórios de código em modo público. Contudo, os dados delicados jamais podem ser armazenados dessa maneira.

2- Prefira armazenar dados na nuvem

A computação em nuvem evoluiu sensivelmente nos últimos anos. Há diversos especialistas que a apontam como o modo de armazenamento mais seguro que existe.

Um computador, em contrapartida, pode ser facilmente infectado por um malware, que rouba dados e informações. Um clique em falso basta!

Ou seja: vale a pena investir em um serviço de armazenamento cloud de qualidade para manter os dados em segurança. Quer a prova? No caso Uber, os hackers só tiveram acesso às informações do Amazon Web Services porque elas estavam no código público. Não houve falha da ferramenta em si.

 3- Invista na criptografia de dados

O uso de programas como editores de texto e planilhas são corriqueiros no meio corporativo. Entretanto, um hacker pode roubar esses arquivos facilmente, tendo acesso a informações que, muitas vezes, deveriam ser sigilosas.

É aí que entra a importância da criptografia: ela torna um arquivo indecifrável até que ele chegue ao destinatário. É muito útil para armazená-lo em um servidor ou enviá-lo a alguém.

É o que faz o WhatsApp para proteger a privacidade de seus usuários: todas as mensagens enviadas são incompreensíveis, até mesmo para o próprio WhatsApp, até que cheguem ao destinatário e sejam descriptografadas.

4- Tenha uma política de segurança e divulgue-a aos funcionários

São poucas as empresas que têm uma política de segurança documentada. A quantidade de organizações que têm uma e se preocupam em repassá-la aos funcionários é ainda menor.

Só que isso é fundamental para assegurar a segurança de informações delicadas. Vale a pena deixar claro quais são as plataformas de uso aprovado pela empresa, quais informações são consideradas sigilosas e como elas devem ser tratadas. Todo cuidado é pouco, e todo ruído de comunicação é um risco!

Em busca de soluções em segurança e proteção em TI? Visite nosso site e fale com a gente! Acesse: https://goo.gl/dDo9My