Fake News: como lidar com essa ameaça?

 

Você certamente já recebeu ou compartilhou alguma notícia de conteúdo duvidoso nas plataformas digitais. Esses materiais são conhecidos como fake news (em português, notícias falsas) e são considerados como uma ameaça para o senso crítico dos usuários, influenciando na tomada de decisões de diversos aspectos.

Para conscientizar nosso público sobre os perigos voltados para a disseminação de notícias irreais, desenvolvemos esta publicação. Lembre-se de compartilhar com a sua rede de amigos! Afinal, é importante estarmos todos cientes a respeito do assunto.

Como surgiu o termo fake news?

Considerando informações do Google Trends, foi durante as eleições norte-americanas de 2016 que o termo popularizou-se. O motivo para tal acontecimento foi o número exorbitante de notícias falsas espalhadas mundialmente que tratavam de propostas dos candidatos à presidência da época (Hillary Clinton e Donald Trump).

Vale lembrar que este momento da história não marcou o nascimento do termo fake news, mas o ponto em que sua propagação tornou-se acentuada. De acordo com o dicionário Merriam-Weber, a expressão já existe há mais de cem anos, entrando para uso no final do século 19.

Quais os reais perigos?

Quando uma notícia falsa se espalha pela internet, seu alcance é ilimitado. Pessoas de diferentes camadas sociais, culturas e crenças, são impactadas com tal conteúdo e suas reações podem ser mais as variadas.

Como qualquer outro tipo de conteúdo, as fake news possuem potencial para formar opiniões. E com isso, terminam por distorcer posicionamentos, dificultando o diálogo transparente entre grupos de pessoas e fomentando a confusão intelectual, o que significa retrocesso para a sociedade, como um todo.

Aqui, deixamos um exemplo: ao ler uma matéria falsa sobre tecnologia, que fala sobre a substituição integral de seres humanos por robôs em empresas, um usuário pode tomar medidas desnecessárias – e até mesmo preocupantes – sobre sua atuação profissional naquele momento.

Mas então, como devemos lidar?

Existem algumas ações simples que podemos realizar para evitar ou diminuir a disseminação de fake news.

O primeiro passo é verificar a veracidade do conteúdo antes de compartilhá-lo! Você pode fazer isso buscando por informações em fontes confiáveis, como jornais e revistas que realmente possuem credibilidade.

Além disso, é importante ler a notícia até o final! Não divulgue um conteúdo com base no texto da manchete, a tendência sensacionalista é uma das principais responsáveis pela disseminação de notícias falsas.

E por fim, não se esqueça de ser crítico. Avalie cada trecho do material antes de contribuir para o seu alcance, em muitas situações, você será capaz de notar por si só quando as fake news surgirem no ambiente digital.

Navegue com atenção e aproveite o que a tecnologia pode oferecer de melhor! E procurando por soluções de proteção e segurança para seus computadores, lembre-se de contar com a TND Brasil.

 

Tecnologia na infância: quais são os limites?

 

Quantas crianças você conhece que possuem acesso livre aos smartphones, computadores, tablets e videogames? Aposto que você se lembrou de pelo menos um pequeno que desfruta da tecnologia na infância.

O contato infantil com dispositivos digitais não é exatamente um problema. Mas a forma como esse uso acontece – tornando-se um vício em muitos casos – pode gerar complicações para a saúde física e mental das crianças. É por isso que este assunto precisa ser discutido.

Tecnologia na infância tem resultado correto?

A resposta para essa pergunta depende de diversos fatores. Certamente não podemos imaginar uma infância totalmente livre dos aparelhos tecnológicos nos dias de hoje, porém, é necessário repensar constantemente nos limites para tal interação.

Educar uma criança é sempre um desafio, neste ponto, devemos entender que como adultos, somos inteiramente responsáveis pelos hábitos que os menores fomentam. Por isso, é importante estarmos atentos para as restrições que devem ser aplicadas em caso de uso da tecnologia na infância.

De acordo com as decisões da Academia Americana de Pediatria (AAP) e da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), é recomendado que os pequenos só comecem a ter contato direto com equipamentos digitais a partir de 1 ano e 6 meses de idade.

Em geral, também não é recomendado que crianças passem mais do que 2 horas consecutivas interagindo com estes meios, respeitando intervalos de tempo de acordo com a idade do indivíduo em questão.

Quais os perigos da superexposição?

Considerando as afirmações da terapeuta canadense, Chris Rowan, o uso excessivo da tecnologia na infância pode ocasionar diversos problemas. Déficits de atenção, dificuldades de aprendizagem, atrasos cognitivos e complicações para lidar com emoções negativas, como a raiva, por exemplo, estão entre os itens dessa lista.

Além disso, a superexposição também pode impulsionar a dificuldade para dormir e a obesidade, de acordo com o nível de dependência da criança.

Como tornar essa experiência saudável?

Para que a tecnologia na infância se apresente como um fator benéfico, é necessário que os cuidados comecem em casa. Neste sentido, apenas os pais – ou responsáveis – são capazes de estabelecer regras para o uso de aparelhos tecnológicos e de estimular uma interação saudável.

Sobre essa questão, não é apenas o tempo de uso que está sendo considerado, mas a forma como a criança faz o acesso. Sabemos que a internet é um campo livre pelo qual circulam informações de diversos aspectos, muitas delas, levando conteúdos perigosos para os usuários que navegam por este vasto mundo digital.

Por isso, é preciso monitorar de perto o uso, checando quais aplicativos o seu pequeno está acessando e para quais fins. E para isso, já existem ferramentas de controle disponíveis no mercado, como o Spyzie e o Kids Place, por exemplo.

Se chegou a hora de introduzir a tecnologia no cotidiano da criança, fique tranquilo e saiba que muito sobre essa relação depende de você. Esteja sempre próximo, agindo com responsabilidade e com todo o amor que você certamente dedica diariamente. Assim, ela terá toda a orientação adequada enquanto estiver utilizando seu equipamento.

Machine Learning: entenda o conceito

 

Você sabe qual a importância do machine learning (em português, aprendizado de máquina) para a tecnologia? Essa técnica permite a análise de dados e torna automática a criação de modelos analíticos.

Parece surreal, mas esse método provou a teoria de que as máquinas podem aprender com dados, levando a Inteligência Artificial (IA) para outro patamar. Vale lembrar que tal capacidade depende minimamente da intervenção humana, o que significa que a ideia de que as máquinas podem alcançar resultados por si mesmas é mais uma vez reforçada.

Machine learning na prática

Com o avanço dos dispositivos, a aplicação do machine learning torna-se cada vez mais corriqueira. Podemos citar como exemplos da existência desse método as sugestões de músicas em aplicativos como o Deezer e o Spotify, e as indicações de filmes da Netflix.

Essas são formas simples através das quais as máquinas demonstram que podem assimilar dados complexos e aplicá-los com facilidade.

Quer mais um exemplo sobre como isso funciona? Certamente, você já recebeu recomendações de compras de empresas como a Amazon. Pois é, a essência do machine learning chegou ao seu dia a dia.

Um passo largo e muito relevante

O desenvolvimento e a aplicação do machine learning significaram um passo extremamente relevante em termos de descobertas tecnológicas. Com este conceito, a compreensão sobre as habilidades das máquinas foi renovada, os limites foram expandidos e com isso, fomos levados até o pensamento de que não podemos prever quais os próximos avanços que a tecnologia alcançará.

É o processamento de dados acontecendo com muito mais eficiência, rapidez e assertividade. As máquinas são capazes de lidar não apenas com um grande volume de informações, mas com conteúdos complexos, que exigem inteligência avançada – e não necessariamente humana.

Inteligência artificial e machine learning

Quando o aprendizado de máquinas entra em discussão, é importante reforçamos o fato de que existe uma diferença clara entre a Inteligência Artificial e este conceito.

Sobre isso, a IA é um campo abrangente que busca reproduzir a capacidade do ser humano de pensar.

Já o machine learning pode ser entendido como um segmento que existe dentro da área de IA, visando otimizar as capacidades adquiridas por máquinas e promover ainda mais avanços dentro do ambiente tecnológico.

Como parceira Microsoft, a TND Brasil pode lhe indicar o serviço em nuvem totalmente gerenciado que permite compilar, implantar em alguns cliques e compartilhar soluções de análise preditiva com facilidade: o Azure Machine Learning.

Acessado de qualquer dispositivo, em qualquer lugar, usando qualquer fonte de dados, o Azure Machine Learning é desenvolvido para aprendizado de máquina aplicado, baseado nos melhores algoritmos da classe e com uma interface pautada no modelo “arrastar e soltar”.

 

Você sabe o que é Outernet?

 

As buscas por novas descobertas que estendam os horizontes da tecnologia são incessantes entre os profissionais que atuam em tal segmento do mercado. Foi dessa forma que surgiu o conceito de Outernet – desenvolvido por uma empresa internacional de mesmo nome.

Apesar da expansão, o número de pessoas em todo o mundo que ainda não possui acesso à internet é expressivo. Em uma pesquisa realizada pela Internet.org, organização criada pelo Facebook com objetivo de trazer o acesso à internet aos que ainda não tem, no ano de 2017, foi levantada a informação de que cerca de 70,5 milhões de brasileiros não podem acessar a rede, seja por banda larga, móvel ou fixa.

Dados como esse justificam a existência de estudos voltados para a Outernet, que surge como o tema do nosso conteúdo para que você possa refletir – junto conosco – sobre uma proposta singular, que teria como objetivo solucionar os problemas de alcance.

O que é Outernet?

Resumidamente, podemos dizer que a Outernet é um sistema gratuito para disseminação de conteúdos digitais, que promoveria o acesso básico à internet através de satélites. A missão da Outernet seria democratizar a utilização da web, para que todas as pessoas, independente de suas localizações, pudessem desfrutar do conhecimento oferecido pela rede.

Como funciona a Outernet?

O sistema da Outernet funciona de forma extremamente inteligente e eficaz. Para que você entenda melhor cada detalhe do processo, trouxemos os principais passos que permitem a operação. Veja:

  • Seleção de conteúdos: inicialmente, a equipe de operações da Outernet – empresa responsável pela criação do projeto – seleciona conteúdos relevantes para a humanidade, como um todo. Isso inclui páginas da web e peças específicas, como imagens e vídeos.
  • Arquivo central: os dados selecionados pela equipe são nomeados de “Arquivo Central” (em inglês, Core Archive), para que possam ser tratados em uma database da própria empresa, tornando-se menos quebrados.
  • Envio de dados: a partir disso, os dados são enviados para satélites geoestacionários e retransmitidos para a Terra.
  • Captação: quando os dados são captados por um dispositivo receptor, essa transmissão é transformada em uma rede Wi-Fi.
  • Conexão: o passo final – e mais interessante – acontece quando você se conecta a essa rede utilizando qualquer dispositivo (notebook, smartphone, tablet), podendo conferir todas as informações acumuladas anteriormente.

Substituta da internet tradicional?

Quem pensa que a Outernet surgiu com a pretensão de substituir a internet como conhecemos, está muito enganado. Além de não realizar todas as funções que a internet é capaz de desempenhar (como o uso das redes sociais, por exemplo), a Outernet nasceu com o propósito de ser uma biblioteca universal gratuita, disponível integralmente para seus usuários.

E então, faça a sua análise e conclua: a Outernet seria útil para você?

 

 

 

 

Afinal, como surgiu a computação?

 

O mundo da tecnologia nos impacta com surpresas em nosso dia a dia. Estamos nos acostumando com as facilidades proporcionadas, e por isso, raramente paramos para nos perguntar como foi que tudo começou. Neste sentido, o surgimento da computação foi um grande marco.

Hoje, queremos levar você de volta para a origem. A história da computação é realmente admirável e possui detalhes incríveis para todos os apaixonados por inovação, assim como nós.

A palavra computação é originada no vocábulo computatio, do idioma latim. Este termo expressa o direcionamento para conta ou cálculo, e geralmente é usado como sinônimo quando falamos sobre informática (do francês informatique). Por isso, podemos dizer que a computação é uma integração entre os saberes científicos e os seus métodos.

Continue realizando a leitura e entenda um pouco mais sobre como tudo começou.

O Ábaco

O Ábaco é o mais antigo instrumento utilizado para fins computacionais. Trata-se de uma calculadora, que era primordial nas áreas de comércio para que os trabalhadores pudessem realizar operações básicas do dia a dia.

Seu sistema era bastante simples, mas muito eficiente! E foi utilizado por povos de diversos cantos do mundo – Egito, Grécia, Babilônia, Roma, Índia, China e Japão – em diferentes versões, que seguem o mesmo fundamento.

Outros instrumentos primordiais

Além do Ábaco, outros instrumentos essenciais para o desenvolvimento da computação foram criados em épocas passadas. A Régua de Cálculo e a Máquina de Pascal, por exemplo, são ferramentas pensadas com o objetivo de tornar a realização de operações matemáticas mais rápida e assertiva.

Máquina de Hollerith

O norte-americano Hermann Hollerith foi responsável por uma das principais criações quando tratamos da evolução computacional. A Máquina Hollerith era capaz de acelerar todo o processo de computação de dados.

Os agentes de censo perfuravam as opções desejadas em cartões, evitando a lenta lógica da marcação de “sim” ou “não”, anteriormente realizada de forma manual. Essa foi uma revolução no processo de coleta de informações.

Computação pré-moderna

Especialmente durante a Segunda Guerra Mundial, as máquinas ganharam uma nova e acentuada importância. Neste período, diversos projetos relevantes foram desenvolvidos, incluindo a criação do computador Colossus – projetado por um grupo liderado por Tommy Flowers – com o objetivo de realizar a criptoanálise de códigos ultrassecretos utilizados pelos nazistas.

Enfim, a computação moderna

A computação moderna passou por diversas gerações. Cada uma delas foi responsável por diferentes descobertas e desenvolvimentos que propiciaram a evolução tecnológica como conhecemos hoje.

O uso dos computadores digitais define – de forma básica e direta – o que significa a computação moderna.

Quando falamos sobre esse momento da tecnologia, temos que a Microsoft e os processadores Intel, por exemplo, foram (e permanecem sendo) ferramentas primordiais neste processo. Além da tendência Multi-Core, na qual diversos processadores trabalham simultaneamente, e da chamada “computação de bolso”, junto aos tablets.

O que ainda está por vir

Se você, assim como nós, ama soluções de alta tecnologia e está sempre de olho nas novidades do segmento, sabe que não parecem existir limites para os avanços.

Nós, da TND Brasil, estamos sempre nos mantendo atualizados diante das tendências do mercado, e capacitando os nossos especialistas para tudo o que for necessário. Afinal, alcançar resultados incomparáveis é o nosso compromisso para chegar aos seus objetivos.